quinta-feira, 23 de maio de 2013

A Noticia Do Desligamento Do Pr Samuel Camara da CGADB Veio Como Uma Bomba!

samuel camara Mesmo após Manifesto do dia 20 de maio, antes do julgamento, a UMADERSUL (União dos Ministros das Assembléias de Deus da Região Sul do Brasil) alertou em manifesto, que tal decisão seria prejudicial a unidade da igreja e que esta decisão causaria um grande mal para a Assembléia de Deus no Brasil. 

Ainda que era previsto que tal fato seria inevitavelmente após as eleições da CGADB em Brasília  a noticia trouxe muita apreenção e preocupação aos Assembleanos com o rumo que a igreja irá tomar.
A mesa diretora, formada por 10 pastores da CGADB, decidiu por 7 votos contra 3 pelo desligamento de Samuel Câmara. Os três votos a favor do pastor foram dos pastores Antônio Dionísio, Jonas Francisco de Paula e Ivan Bastos. 

Após ser comunicado da decisão, o pastor Samuel Câmara divulgou uma nota oficial onde classificou o ato como “rito sumário como nas piores ditaduras” e afirmou que “fica caracterizada a perseguição política e a determinação de tirar do caminho e atropelar qualquer um que levante a sua voz contra os desmandos da administração que há 25 anos comanda a CGADB”, criticou.  Câmara também afirma que foi um ato de “arbitrariedade” pois, segundo ele, o Estatuto e do Regimento Interno da CGADB ”não prevê esse tipo de sanção para a acusação de quebra de decoro alegada contra mim e os demais pastores já mencionados” e por isso avisou que irá recorrer da decisão.

Confira a nota oficial completa:
Ao arrepio do Estatuto e do Regimento Interno, que não prevê esse tipo de sanção para a acusação de quebra de decoro alegada contra mim e os demais pastores já mencionados, a Mesa Diretora acaba de deliberar pelo meu desligamento da CGADB por sete votos a três. Votaram contra a decisão os pastores Antônio Dionísio, Jonas Francisco de Paula e Ivan Bastos. Os processos contra o pastor Sóstenes Apolos e Jônatas Câmara foram temporariamente suspensos porque ambos justificaram a sua ausência por razões de ordem médica. Já o pastor Ivan Bastos só pode ser julgado, neste caso, pela AGO por pertencer à Mesa Diretora da CGADB.  Diante desta atitude arbitrária, repito o nosso lema: “Porque Deus não nos deu um espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor e de moderação”, 1 Timóteo 1.7. Vamos recorrer da decisão, com tranqüilidade. Eles buscam promover mais uma cisão. Nós buscamos a unidade assembleiana. Insistimos que nos cubram com as suas orações.
 Na carta a União de lideres pediu orações para que os membros da mesa diretora “não se precipitem” em desligar ou tomar medidas disciplinares contra certos membros.
“Há o perigo iminente de que sejam desligados compulsória e injustamente membros da CGADB, que são pastores com uma história relevante de trabalho na obra do Senhor, somente pelo fato de os mesmos terem interpretado a vontade de Deus com um pensamento diferente daqueles esposados pela Mesa Diretora”, diz o manifesto que fala abertamente sobre retaliação “que é uma atitude anti-cristã e extremamente prejudicial à unidade da Assembléia de Deus no Brasil”.

Manifesto pela unidade da mesa diretora da CGADB

 1) Desejamos que a CGADB continue se mantendo no espírito com o qual os pioneiros da Assembléia de Deus no Brasil fundaram-na. Todavia, há o perigo eminente de não sabermos conviver com as diferentes formas de pensar a obra do Senhor, dadas pela liberdade do Espírito Santo e mantidas pela multiforme graça do Senhor, elementos que marcam o movimento pentecostal no Brasil.

 2) Conclamamos que os membros da CGADB em todo o território nacional e no exterior para orarem em favor da Mesa Diretora para que os membros da mesma não se precipitem em tomar medida disciplinar ou propor à AGO da CGADB o desligamento de membros seus, principalmente, no período pós-eleição para os cargos de composição da Mesa e do Conselho Fiscal. Há o perigo iminente de que sejam desligados compulsória e injustamente membros da CGADB, que são pastores com uma história relevante de trabalho na obra do Senhor, somente pelo fato de os mesmos terem interpretado a vontade de Deus com um pensamento diferente daqueles esposados pela Mesa Diretora. Lembramos-vos que isto configuraria retaliação, que é uma atitude anti-cristã e extremamente prejudicial à unidade da Assembléia de Deus no Brasil.

3) Anelamos que cada membro da CGADB respeite a doutrina apostólica acerca da unidade da Igreja do Senhor Jesus e neste sentido, trabalhe, promova e cultive-a, “assim também em Cristo nós, que somos muitos, formamos um corpo, e cada membro está ligado a todos os outros” (Rm 12.5), pois “assim como o corpo é uma unidade, embora tenha muitos membros, e todos os membros, mesmo sendo muitos, formam um só corpo, assim também com respeito a Cristo. Pois em um só corpo todos nós fomos batizados em um único Espírito” (1Co 12.12-13).

4) Alertamos a todos os membros da CGADB e colegiadamente a todos as Convenções Estaduais e/ou Regionais que a unidade da Igreja deve ser defendida pelo fato de que ela é uma arma espiritual em favor do Reino de Deus, principalmente, no momento histórico que vive nossa nação de laciamento dos valores morais e de ataque sistemático à família e comprometimento da liberdade de expressão da igreja contra o pecado. Nesse sentido, a unidade é um elemento de proclamação tácita do Evangelho, visto que o nosso Senhor orou pela nossa unidade: “para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um, eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste”.

 5) Rogamos, respeitosamente, a Mesa Diretora e o próprio presidente da CGADB, sua reverendíssima, pastor José Wellington Bezerra da Costa, como líder maior de nossa Assembléia de Deus no Brasil, que não se permita ser considerado incoerente com suas próprias palavras, pois o mesmo pediu a unidade de nossa denominação no país. Como a uma só família rogou aos ministros da Assembléia de Deus no Brasil, poucas horas depois de divulgados os números finais da votação que o reconduziu a Presidente da CGADB para o período de 2013/2017, quando questionado pelo site CPADNEWS: “Que mensagem o senhor deixa para os assembleianos de todo o país?” Respondeu enfaticamente: “Em primeiro lugar, dirijo-me aos obreiros da Assembleia de Deus: somos uma só família e recebemos uma só doutrina, um só Espírito Santo e cremos em um mesmo Deus, por isso mesmo devemos manter esta bênção que Deus tem derramado sobre o coração de todos os assembleianos…” (conforme acesso ao site cpadnews.com.br em 15 de maio de 2013, às 10h30min).

 Assinam adiante os líderes da União dos Ministros das Assembléias de Deus da Região Sul (Umadersul) e os demais convencionais, membros da CGADB signatários deste manifesto, que participaram do 17º Encontro dos Lideres das Assembléias de Deus dos Estados do Sul (Elads), também o firmam em folhas apensas ao mesmo.

Presidente: Pr. Ival Teodoro da Silva (PR)
 1º Vice-presidente: Pr. João Ceno Ohlweiler (SC)
2º Vice-presidente: Pr. Ubiratan Batista Job (RS)                                                                         


Soli Deo Gloria!                                                                                  


                                                                             Pr José Costa 




































sexta-feira, 17 de maio de 2013

Aberrações Nos Cultos...Forçar o Texto Bíblico Para Agradar os Crentes!


O que tem acontecido no meio evangélico tem sido algo estarrecedor, chego até a não acreditar no que se faz em nome de Deus, com relação aos pseudos pregadores e cantores Gospel!  Tem pastores e cantores que para pregar ou cantar  exige caches que chegam a mais de R$100.000,00 por evento, e são verdadeiros "pop star", alguns já tem até fã clube e a idolatria é notória em muitos dos casos.
Exigem carros particulares com motoristas e só hospedam em hotéis cinco estrelas.
Só existem este tipo de pregadores e cantores porque tem pastores que apoiam este tipo de mercantilismo religioso e não duvido se não estão lucrando com isto.
 
E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade; e, por avareza, farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita. II 2:2,3

Vem Jesus e expulsa os vendilhões do templo!
 
Já estou enojado com tanto comércio e petição de dinheiro nos cultos, os quais com raríssimas exceções é só cantarola; tem culto que se canta mais de vinte "louvores"coloco entre aspas porque na maioria das vezes ele enaltece mais o ego dos ouvintes do que o nome do Senhor Jesus.
 
Estão pregando e cantando para impressionar as massas, que aglomeram para ouvi-los com suas mensagens "inéditas"...requentadas e pregadas centenas de vezes em lugares diferentes!
  
Agora estão inovando e "forçando" os textos bíblicos, querendo ser mais espirituais do que o seus concorrentes em termos de visões e revelações espirituais.  
A concorrências e a competição tem sido grande, cada um quer apresentar uma novidade para o povo, pois a massa quer novidade.
 
Muitos crentes gostam de contar e ouvir novidades, estão como os moradores de Atenas dos tempos do Apostolo Paulo.
 
É que todos os moradores de Atenas e os estrangeiros que viviam ali gostavam de passar o tempo contando e ouvindo as últimas novidades. Atos 17:21
 
O desejo de pregar grandes sermões e mensagens inéditas tem levado pessoas a usarem textos Bíblicos fora do contexto com interpretações absurdas recheadas de fantasias antibíblicas.
Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ao de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas. 2 Timóteo 4;3,4
 
Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas caducas. Exercita-te, pessoalmente, na piedade. I Timóteo 4:7
Tem muitas novidades, a ultima vi num vídeo o qual estou postando abaixo, é demais da conta como diria o meu conterrâneo mineiro!
 

Pregadores querendo reforçar a teologia da prosperidade em seu próprio beneficio para dar ênfase as suas pregações e pretensões forçam o texto e sua interpretação.
Dizem que que Jesus era rico e tinha até casa de praia de frente para o mar e da boa!
 
Logico que Jesus poderia ter casa de praia pois morava em uma cidade litorânea, mas dizer que Jesus era empresário do ramo de movelaria e que construía uma mesa com quatro cadeiras num piscar de olho é demais.
 
Acredito que Jesus pode fazer mais do que isto, mas ELE não ficava em sua terra brincando de fazer milagres, usar livros apócrifos para dizer que; no período dos doze anos aos trinta anos Jesus assumiu a carpintaria de seu pai  José é forçar demais o texto.
 
Clique no vídeo e confira!
 
Em nossos dias temos observado vários pregadores pregando para impressionar as massas que se aglomeram em grandes eventos, onde há um espírito de competição entre pregadores, para saber quem prega melhor, tem tirado do povo a noção da verdadeira pregação.
Seus sermões são cheios de frases de efeito como: “pentecostal que não dá glória, está com defeito de fabricação”; “olha no olho de seu irmão e diz...”; “ levanta a mão e dá glóoooooooooriaaaaaaaaaa”; “ tô vendo um anjo”; fala para o diabo...” (crente falando com o diabo?) e outras brincadeiras.
Posso até ser taxado de frio, sem unção, até podem até ofenderem os nossos irmãos presbiteriano e me chamar de "sorveteriano".
 
Sou pentecostal, creio no poder de Deus e na revelação bíblica.
 
Portanto, meus irmãos, o que é que deve ser feito? Quando vocês se reúnem na igreja, um irmão tem um hino para cantar; outro, alguma coisa para ensinar; outro, uma revelação de Deus; outro, uma mensagem em línguas estranhas; e ainda outro, a interpretação dessa mensagem. Que tudo seja feito para o crescimento espiritual da igreja.I Coríntios 14:26
 
Em tudo que falei, tem suas exceções.
Existem ainda pastores sérios que pregam a genuína palavra de Deus e cantores que realmente louvam a Deus como verdadeiros adoradores, não visando lucros financeiros.
 
Para estes que não se encurvaram ao deus mamon, o meu apoio!
 
Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim. Atos 17:11
 
Mas sejamos como os irmãos Bereanos, vamos examinar as escrituras, para ver se o que os pregadores falaram estão nas escrituras.
                                                                        
                                                      Pr José Costa

segunda-feira, 13 de maio de 2013

TEM GENTE SEM "CACHOLA"QUERENDO LUCRAR COM A CAXIROLA!...Descupe o trocadilho!

DILAMA CAXIROLA Estão querendo faturar com esta tal de caxirola, criada por Carlinhos Brown, Ele só queria vender 50 Milhões destes chocalhos de plásticos, pela bagatela de R$29,90, ele! Um Faturamento de de R$1,5, bilhão, nada bobo ele!  Uma baiana disse: "Esta caxirola não nos representa!" Mas nas Copas que vem por aí, a caxirola vai sim nos representar! "Quando for jogada nas cabeças ocas dos nossos governantes, vai representar o nosso ‘saco cheio’ com eles/elas todos"!   Tem tanta gente sem hospitais e segurança, passando fome e precisando de investimento nas areas de educação e o governo gastando milhões ou seja mais de R$500 milhões acima dos R$800 milhões previsto inicialmente só na reforma do maracanã!  Criada pelo músico Carlinhos Brown para ser o "instrumento musical" da Copa de 2014, a caxirola pode ficar de fora do Mundial. De acordo com os jornais Estado de S. Paulo e O Globo, o incidente ocorrido no fim do mês passado na Fonte Nova, em que a torcida do Bahia atirou várias peças no gramado em protesto contra a atuação do time na derrota para o Vitória, e a proibição de seu uso no Ba-Vi deste domingo levaram a Fifa e o Comitê Organizador Local (COL) a estudar a revisão da autorização para a comercialização do produto.
A possibilidade da proibição da caxirola foi discutida ontem, mas não há um consenso sobre o que fazer.

No entanto, é preciso uma decisão rápida, pois pelo plano inicial o instrumento também estaria nos estádios na Copa das Confederações.

Em resposta ao Estado de S. Paulo,  o COL e a Fifa disseram que estão reavaliando a autorização concedida à caxirola como item aprovado e comunicarão a decisão em uma data oportuna.

Tomara que realmente ela seja banida dos estádios, porque já está provado que o uso dela nos estádios, só serviu como instrumento de agressão dos torcedores!

Isto é uma arma na mão de quem não sabe usar!
 
                                                                                       
                                         Jose Costa
                                                         





sexta-feira, 10 de maio de 2013

ENTENDA QUEM ESTÁ POR TRAZ DA PRISÃO DO PASTOR MARCOS PEREIRA.

Não se pode condenar alguém sem provas concretas do ocorrido, até que se prove o contrario ele é inocente, ser preso da maneira como ele foi, e jogado pela Rede Globo na mídia para já ser condenado pela opinião publica, é no mínimo querer ocultar coisas muito piores que está acontecendo, como ocaso da morte do traficante "Matemático", quando ela (Rede Globo) através dos seus comentaristas de segurança falaram um monte de besteira.

  Além do mais a imprensa tendenciosa quer passar para a sociedade que todo pastor é safado, sem vergonha e mal caráter pelo menos é isto que se dá entender. 

 A Rede Globo está querendo jogar os católicos contra os evangélicos, que são favoráveis a família tradicional, contra o casamento de pessoas do mesmo sexo, o aborto. e outros interesses comuns. 

Quantos casos de estupros e pedofilia infelizmente aconteceu com padres e bispos, mas nem por isto nem todos os padres e bispos católicos são safados ou mal caráter. Tem pastores padres e bispos de boa índole.

Entenda como se deu a prisão do Pastor Marcos Pereira.


Clique no video abaixo e tire suas conclusões.  



 A prisão do pastor Marcos Pereira na última terça-feira, 07 de maio, sob acusação de estupro de fiéis da Assembléia de Deus dos Últimos Dias (ADUD), e a revelação de que haveriam outras 20 acusações semelhantes, levou o deputado estadual Paulo Ramos (PDT) a discursar em sua defesa na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro na quarta-feira, 08 de maio.

Em seu discurso, Ramos afirma que a prisão do pastor é fruto de uma armação feita entre José Junior, líder do Afroreggae e adversário de Marcos Pereira, e os controladores das Organizações Globo.

O deputado observou ainda que a atuação do pastor nas comunidades do Rio de Janeiro já foi de grande utilidade para o Estado, e que os governos já recorreram à influência do pastor para conseguir sucesso em ações nos morros e na finalização de rebeliões nos presídios cariocas.

Ramos questionou o motivo de a prisão ter sido feita pela Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) e não pela Delegacia de Proteção à Mulher, e disse ainda que as acusações contra o pastor foram feitas há mais de um ano, e nesse período não se apurou nada sobre os supostos crimes.

Outro ponto frisado pelo deputado, que foi apoiado por outros parlamentares em sua fala, é que as investigações mencionam um depoimento de Ana Madureira Silva, que seria ex esposa do pastor Marcos Pereira e o teria acusado de um estupro cometido após dez anos de casamento. Entretanto, o deputado Paulo Ramos observou que Ana Madureira nunca se divorciou do pastor, é a mãe dos filhos dele, e alega que nunca deu depoimentos à Polícia acusando seu marido de estupro.


                                                                              Pr José Costa







segunda-feira, 6 de maio de 2013

Quando um deputado decente apresenta um projeto de lei, que é para ajudar os viciados em drogas, tratando os em clinicas Terapêuticas e punindo os traficantes, aparece os lobbystas, a turma do "libera tudo" e quererem barrar um projeto tão importante!

DROGASO deputado e médico  Osmar Terra é um homem do bem,  não é um mensaleiro, um ladrão, um pilantra, um safado. E ele não é nada disso. O lobby  para barrar o projeto é muito grande, de tal sorte que atribuem a seu texto, sem o menor constrangimento, coisas que jamais estiveram lá, como, por exemplo, a criação de um cadastro de usuários. Se a mídia não fosse tendenciosa como tem sido neste últimos dias e  tivessem por ele a metade da reverência que têm, por exemplo, por José Genoino (PT-SP) — o condenado que votou na CCJ em favor de um golpe contra o Supremo —, talvez houvesse um pouco mais de cuidado com a sua trajetória e respeito com o seu texto. A íntegra do projeto original. Abaixo, reproduzo a entrevista que Marcela Mattos, da VEJA.com, fez com Terra. No caso, é entrevista mesmo, como deve ser feita. A repórter toca nos pontos considerados polêmicos do projeto e cobra esclarecimentos, sem tom militante. Leiam.
*
À esteira dos esforços para conter o avanço do consumo de drogas no Brasil, um projeto de lei que poderá ser votado na próxima quarta-feira pela Câmara dos Deputados endurece a pena para traficantes como um caminho para frear o comércio e, consequentemente, o consumo de entorpecentes no país. Pela legislação atual, o tráfico de drogas é punido com cinco a quinze anos de prisão e multa. A proposta do deputado federal Osmar Terra (PMDB-RS) aumenta o tempo mínimo para oito anos de prisão e, nos casos com agravantes, como a fabricação da droga, permite aplicação de pena máxima prevista para o crime de homicídio: vinte anos. “O traficante pode não ser um homicida que dá um tiro, mas ele está matando um monte de gente ao mesmo tempo”, compara.
O deputado, que é médico, sugere penas mais duras para flagrantes de usuários de drogas: de seis meses a um ano de trabalho comunitário – atualmente são cinco meses. No caso de reincidência, de um a dois anos, ante os dez meses atuais. O projeto de Terra recebeu apoio dos ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil), o que deverá facilitar a aprovação no Congresso. O senhor é criticado por propor mais rigor na punição do usuário flagrado com a droga, mesmo para consumo pessoal. A legislação atual é frouxa nesses casos?
A legislação atual até pune, mas temos de ser mais rígidos. Esse período maior [de pena] é para dizer que é crime e que não é para fazer de novo. Se disser que não é crime, a pessoa vai andar com a droga no bolso, e o número de usuários vai se multiplicar muito rápido. Tem que dizer que é crime e que tem pena. O usuário está cometendo um ato ilegal, que o prejudica, e ele vai ter a oportunidade de fazer uma reflexão.
No projeto, a pena máxima para traficantes se iguala a do homicídio. A gravidade desses crimes pode ser comparada?

Eles são homicidas. Vinte e cinco por cento dos usuários de crack morrem nos primeiros cinco anos, segundo dados da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). O traficante pode não ser um homicida que dá um tiro, mas ele está matando um monte de gente ao mesmo tempo. Os meninos vão morrendo. Morrem de aids, de problemas pulmonares, de hemorragia cerebral e também de morte violenta. E todos são jovens, não morreriam se não fossem dependentes de droga. Então, não é uma pena exagerada.
O projeto prevê, após o primeiro flagrante, que o usuário não poderá freqüentar determinados lugares e impõe restrição de horários.
Para evitar o dano e os desdobramentos que a droga causa, a saída é a abstinência. É proposta uma série de medidas restritivas que não significam a prisão, mas são para constranger o usuário, para dizer que o que ele está fazendo não é uma coisa lícita.
Por que para o usuário pego com droga o projeto mantém pena mais branda?
Porque o usuário é doente, está precisando de atendimento. Se ele não está viciando outros, é mais importante dar cuidados de saúde do que pena de prisão.
Em quais casos seria necessária a internação involuntária?

Nós tiramos no projeto a internação compulsória, pois ela pressupõe um processo judicial e uma decisão do juiz. Isso já está na lei hoje, mas só vale quando a pessoa representa um risco social. Então demora muito, e poucos são internados por decisão do juiz. No caso da internação involuntária, a pedido da família, o médico avalia o caso e pode determinar a internação, sem precisar de juiz. Isso vai antecipar o início do tratamento. Como 90% dos meninos não se tratam voluntariamente, no caso do crack, isso pode colocar uma parcela muito maior para ficar em abstinência inicial.
Por que o projeto pune os gestores que não cumprirem as determinações básicas?

Porque hoje é um jogo de empurra. Vamos falar com um prefeito e ele diz que é da responsabilidade do governo do estado. Vai falar com o governo do estado e diz que é a prefeitura, que reclama que o governo federal não ajuda. Aí ninguém faz. O projeto redefine as responsabilidades, determinando o que municípios, estados e governo federal têm de fazer. Quem não cumprir essas regras será responsabilizado administrativamente, até com perda da função.
O que o projeto traz de novo para a recuperação dos dependentes químicos?

Estou propondo que se acrescentem as comunidades terapêuticas à rede dos Caps. Hoje existem mais de 2.000 comunidades terapêuticas pelo Brasil, com cerca de 60.000 vagas que não são usadas. Os Caps foram criados para atender casos de transtorno mental, mas resolveram que eles podem atender também a dependência química – mas é um fracasso. Eles não têm protocolo, não tem uma organização articulada entre si e a maioria das pessoas trata a questão da dependência química como uma opção. As pessoas vão ali e voltam para a boca de fumo. Nas comunidades os usuários ficam em abstinência prolongada, afastados até da família. Lá terão um programa de ressocialização, com empresas ou com o próprio governo estabelecendo um número de vagas. Além disso, tem de ter acesso a lazer, esporte e cultura.

O que é CAPS

Todos os tipos de CAPS são compostos por equipes multiprofissionais, com presença obrigatória de psiquiatra, enfermeiro, psicólogo e assistente social, aos quais se somam outros profissionais do campo da saúde. A estrutura física dos CAPS deve ser compatível com o acolhimento, desenvolvimento de atividades coletivas e individuais, realização de oficinas de reabilitação e outras atividades necessárias a cada caso em particular.

A idéia é aproximar o governo dessas comunidades?

É trazer esse trabalho para a formalidade. É criar regras para ele. A Anvisa já determina o que uma comunidade terapêutica deve ter, e o governo estabelece protocolos de atendimento. Mas a verdade é que não tem protocolo para nada. Já ouvi uma psicóloga do Caps dizer que é uma bobagem classificar o crack como uma epidemia e que a pessoa pode fumar uma pedrinha de vez em quando em alguns casos. Eles não fazem nenhum esforço para tirar a pessoa da dependência. O Ministério da Saúde não cria protocolo, não cria nada. A orientação, nesse ponto, realmente deixa muito a desejar. É um discurso bonito, filosófico e humanitário, mas, na prática, eles vão filosofando e os meninos vão morrendo.

O senhor faz críticas duras ao serviço atual.

É totalmente ineficaz. Eles não sabem lidar com o problema. O crack transtornou tudo, criou um transtorno mental coletivo. A avalanche do crack, a forma epidêmica que ele se propagou, desorganizou tudo. Ninguém estava preparado para isso. Os Caps funcionam para outros transtornos. Mas, para o crack, não.

Qual o valor estimado para arcar com os gastos previstos no projeto e de onde viriam esses recursos?

É necessário aumentar muito a rede. A Dilma [Rousseff, presidente], quando lançou o programa “Crack, é possível vencer”, estimou em 4 bilhões de reais os gastos para os dois anos seguintes. Eu acho que deveria ser 4 bilhões por ano – e ainda assim não sei se resolveria para reduzir a demanda. A gente tinha proposto que a taxa de imposto cobrada do álcool e do cigarro fosse para o programa de drogas. É um volume grande, daria uns 8 bilhões de reais, mas o governo está resistente.

Quando o texto deve ir a plenário? O senhor acha que haverá resistência dos parlamentares?

Vamos votar o mérito no dia 8 de maio. Há cerca de dois meses foi aprovada a urgência no plenário. A turma a favor da legalização foi contra, não queria votar. Mesmo assim obtivemos 344 votos favoráveis contra seis. Isso já mostra mais ou menos o ânimo que está a Casa. Nós estamos procurando diminuir a resistência do governo. A conversa com a ministra Gleisi Hoffmann foi boa. Ela disse que é contra a descriminalização, a favor das unidades terapêuticas e de tudo do projeto. Sobre as penas, ela disse que deveria conversar com o ministro da Justiça, porque as prisões estão lotadas. Acho que estamos chegando a um consenso. O governo também não pode segurar muito tempo, pois a pressão é da sociedade.

Terminou neste domingo, que teve início na sexta, contra o projeto de Terra e em favor da descriminação e da legalização de todas as substâncias entorpecentes — variava de acordo com a opinião do expositor. O sujeito mais aplaudido, um delegado de polícia do Rio, defendeu a “legalização da comercialização, da distribuição e do consumo de todas as drogas”. Terra não foi chamado para falar. Nem ele nem qualquer outro contrário à descriminação. A grana do povo foi usada para a celebração de opiniões da minoria que aplaude a minoria.
A imprensa, na sua maioria, perdeu qualquer pudor e, em casos que envolvem a suposta proteção de “minorias”, trata opinião como se fosse fato. E, no que concerne às drogas em particular, a despeito dos fatos. A festa da pajelança em Brasília foi patrocinado com o teu e o meu dinheiro. Onde está a mídia tendenciosa e os artistas famosos, não os vi falando dos condenados do "Mensalão". Mas quem sabe para o projeto da legalização da maconha e outras drogas eles darão o seu apoio!   
fonte: Reinaldo Azevedo


quinta-feira, 2 de maio de 2013

Uma resposta sábia da Filha de Billy Graham, sobre o fatídico 11 de Setembro...Deus é culpado?

Fiquei sobremodo impresioonado com a entrevista da filha do maior evangelista que se houviu falar, o Pastor e escritor Billy Graham que resolvi compartilhar com os meus amigos.

A filha de Billy Graham (grande escritor desta geração) estava sendo entrevistada no Early Show, e Jane Clayson perguntou a ela:
Finalmente a verdade é dita na ...TV Americana.
'Como é que Deus teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro?'
Anne Graham deu uma resposta profunda e sábia:
'Eu creio que Deus ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós.
Por muitos anos temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas.
Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou.
Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua benção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?'
À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc...
Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O'hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.
Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas...
A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.
Logo depois o Dr.. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto estima (o filho dele se suicidou) e nós dissemos:
'Um perito nesse assunto deve saber o que está falando'.
E então concordamos com ele.
Depois alguém disse que os professores e diretores das escolas não deveriam disciplinar nossos filhos quando se comportassem mal.
Então foi decidido que nenhum professor poderia tocar nos alunos...(há diferença entre disciplinar e tocar).
Aí, alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem.
E nós aceitamos sem ao menos questionar.
Então foi dito que deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas, quantas eles quisessem para que eles pudessem se divertir à vontade.
E nós dissemos: 'Está bem!'
Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia e uma apreciação natural do corpo feminino.
Depois uma outra pessoa levou isso um passo mais adiante e publicou fotos de Crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição da internet.
E nós dissemos:
'Está bem, isto é democracia, e eles tem o direito de ter liberdade de se expressar e fazer isso'.
Agora nós estamos nos perguntando porque nossos filhos não têm consciência e porque não sabem distinguir o bem e o mal, o certo e o errado;
porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios...
Provavelmente, se nós analisarmos seriamente, iremos facilmente compreender:
nós colhemos só aquilo que semeamos!!!
Uma menina escreveu um bilhetinho para Deus:
'Senhor, porque não salvaste aquela criança na escola?'
A resposta dele:
'Querida criança, não me deixam entrar nas escolas!!!'
É triste como as pessoas simplesmente culpam a Deus e não entendem porque o mundo está indo a passos largos para o inferno.
É triste como cremos em tudo que os Jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia, ou do que a sua religião, que você diz que segue ensina.
É triste como alguém diz:
'Eu creio em Deus'.
Mas ainda assim segue a satanás, que, por sinal,também 'Crê' em Deus.
É engraçado como somos rápidos para julgar mas não queremos ser julgados!
Como podemos enviar centenas de piadas pelo e-mail, e elas se espalham como fogo, mas, quando tentamos enviar algum e-mail falando de Deus, as pessoas têm medo de compartilhar e reenviá-los a outros!
É triste ver como o material imoral, obsceno e vulgar corre livremente na internet, mas uma discussão pública a respeito de Deus é suprimida rapidamente na escola e no trabalho.
É triste ver como as pessoas ficam amantes de Cristo no sábado, mas depois se transformam em cristãos invisíveis pelo resto da semana.
Gozado que nós nos preocupamos mais com o que as outras pessoas pensam a nosso respeito do que com o que Deus pensa...