segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Nada de cinza, a questão é preta ou branca


Autor Kevin DeYoung
Publicado em Reforma 21

Republicando aqui por considerar o artigo relevante sobre o filme 50 Tons de Cinza:

Não há nada de cinza a respeito de um seguidor de Cristo ver 50 Tons de Cinza.
A questão é preta ou branca. Não vá. Não assista. Não leia. Não alugue.

Eu não quero sequer falar sobre isso. Outro blogueiro e eu andamos em círculos por
várias semanas pensando em como poderíamos escrever uma resenha crítica satírica
alfinetando aqueles
 que acham que precisamos ver esse filme para sermos relevantes. Não conseguimos. 
Não há forma de 
fazer um humor forte o suficiente para condenar filme tão vil.

E não, eu não fui ver o filme. Nem sequer assisti o trailer. Também não li uma
única página do livro. Ler sobre a premissa na Wikipedia e no IMDb por 
alguns minutos me convenceu de que eu não precisava saber mais. 
O sexo é um presente maravilhoso de Deus mas, assim como todos os 
presentes de Deus ele pode ser aberto em um contexto errado e reembalado em um 
pacote feio. 
Violência contra mulheres não é aceitável só porque ela é aberta à sugestão, 
e o sexo não é aberto a todas as permutações, 
até mesmo em um relacionamento adulto. Consentimento mútuo não cria uma 
filosofia moral.

Sexo é um assunto privado para ser compartilhado na privacidade e santidade
do leito matrimonial
(Hebreus 13.4). Sexo, assim como Deus designou, não é para atores que fingem
(ou não) que estão fazendo “amor”. O ato da união conjugal é o que casais 
casados fazem a portas fechadas,  não o que discípulos de Jesus Cristo pagam 
dinheiro para assistir em uma tela do tamanho de suas casas.

Como já disse antes, precisamos ser criteriosos no que colocamos em frente
aos nossos olhos, sendo homens e mulheres sentados em lugares celestiais 
(Colossenses 3.1-2). Se 50 Tons  de Cinza é um
problema, qual é o padrão de aceitação para o resto da sexualidade
livremente consumida?
Veja bem, a consciência do pecado não é por si só o problema.
A Bíblia é cheia de relatos de imoralidade. Seria simplista e moralmente 
insustentável – até mesmo antibíblico – sugerir que você não pode assistir 
ou ler sobre um pecado sem pecar. Mas a Bíblia nunca se deleita em sua descrição do
 pecado. Ela nunca pinta o vício com as cores da virtude.
Ela nunca se entretém com o mal (senão para zombá-lo). 
A Bíblia nunca cauteriza a consciência tornando o pecado normal e a 
justiça estranha.

Cristãos não deveriam tentar “redimir” 50 Tons de Cinza. Não devemos 
achar bonitinho e divulgar uma nova série de sermões chamada 
“50 Tons de Graça”. Não devemos envergonhar a arte ou a santidade ao
pensarmos que, de alguma forma, algo tão escuso como 50 Tons vale a 
pena ser visto ou analisado. 
De acordo com a lógica de Paulo, é possível expor um pecado e mantê-lo
escondido ao mesmo tempo (Efésios 5.11-12).
“Um bom homem se envergonha ao falar do que várias pessoas não se envergonham 
de fazer” (Matthew Henry).

Alguns filmes não merecem uma análise sofisticada. Eles merecem um sóbrio repúdio.
Se a igreja não pode estender graça a pecadores sexuais, nós perdemos o coração do
evangelho. E se nós não podemos falar que as pessoas devem ficar longe de 50 Tons 
de Cinza,
perdemos a cabeça.

Traduzido por Marianna Schulz | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material
em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o 
conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.